domingo, 18 de dezembro de 2011

Formação de Professores em Curitiba - Nova Turma em 2012

A nova turma de formação de professores na linhagem de Shri T. Krishnamacharya está prevista para ter início em Maio/2012 na cidade de Curitiba. Os interessados devem agendar uma entrevista entrando em contato com os responsáveis pela organização do curso conforme informações no folder.
Shri T. Krishnamacharya é conhecido como tendo sido o professor de TKV Desikachar, Indra Devi, Pattabhi Jois, BKS Iyengar, Srivatsa Ramaswami, entre outros.
Para maiores informações sobre a abordagem de Yoga nesta tradição, visite o site www.anjali.com.br, onde há uma sessão de artigos sobre Krishnamacharya e Yoga.

Para visualizar o folder completo com as informações clique aqui.

Para ir à página de download do folder clique aqui. ou digite no seu navegador:
http://www.4shared.com/photo/KwgrJQHz/folder_krishnamacharya_2012_em.html

domingo, 30 de outubro de 2011

Aula 17 de Jorge Luís Knak sobre o livro What are we seeking? (Autor: TKV Desikachar)

Esta aula (realizada em 19/10/2011)trata da respiração, do Prana, de como a exploração desta dimensão nossa é parte importante da contrução de uma maior sensibilidade e interiorização.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Aula 16 - Livro "What are we seeking? "(O que estamos buscando?) de TKV Desikachar. Aula de Jorge Luís Knak

O yoga, hoje em dia, é mais conhecido pelo que chamamos de prática de Asana. A principal característica desta prática é desenvolver uma capacidade de "escutar" o corpo, aprender a se relacionar com ele. E isso nos leva para outras compreensões a respeito de nós mesmos. A aula de hoje (05 de outubro de 2011) trata desse assunto.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

15ª aula dada por Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" de TKV Desikachar.

Aula de 28 de setembro de 2011. Sobre as atitudes com relação à própria vida (niyamas). Entre os assuntos abordados estão: o que é o verdadeiro contentamento, a importância do cuidado com o corpo e a mente e a compreensão de quem nem tudo está em nossas mãos. E, ainda, a participação especial do Luan :).
Abraços, Jorge.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

terça-feira, 13 de setembro de 2011

REVELANDO O YOGASUTRA - Na tradição de Krishnamacharya

REVELANDO O YOGASUTRA
Na tradição de Krishnamachary
a


CURITIBA-PR

Com Prof. Jorge Luís Knak
Krishnamacharya Healing and Yoga Foundation


DATA
Curso composto de 2 módulos (sobre o capítulo 1):
1º módulo – 29 e 30 de Outubro de 2011
2º módulo – 26 e 27 de Novembro de 2011

HORÁRIO

Sábado – 9 às 18 horas
Domingo – 9 às 13 horas

LOCAL

MAHATMA - R. Professor Macedo Filho, 199, Bom Retiro - Curitiba

SOBRE O CURSO
O objetivo deste curso é desenvolver uma compreensão sensível, aplicável e bem fundamentada desta escritura que foi tão reverenciada por Krishnamacharya e, portanto, por seus alunos (entre eles Indra Devi, TKV Desikachar, Mohan, Srivatsa Ramaswami). O Yogasutra, definitivamente, é o alicerce mais seguro para o amadurecimento do caminho do Yoga. Sua profundidade exige que seja estudado em vários momentos de nossa vida e em diferentes níveis.
Nestes primeiros módulos serão abordados os principais conceitos desta escritura, presentes no capítulo 1. Dividido em 4 capítulos, o Yogasutra apresenta uma grande gama de enganos, obstáculos e limitações que podem nos levar a uma direção diferente da que objetivamos. Além disso, nos auxilia na construção de uma percepção mais limpa a respeito do que é este desenvolvimento e de que forma podemos realmente acessar aquilo que é mais essencial em nossa vida.

PROFESSOR
Jorge Luís Knak
Vive em Porto Alegre, é professor de Yoga há mais de 15 anos. Em 2001 iniciou seus estudos na Índia com Kausthub Desikachar, com quem até hoje estuda regularmente.
Em 2005, juntamente com Maria Nazaré Cavalcanti, foi certificado pela Krishnamacharya Healing and Yoga Foundation como Professor Formador (Teacher Trainer). Ambos são os responsáveis pela formação de professores de Yoga na linhagem de Krishnamacharya no Brasil. Além de se dedicar ao ensino individualizado e aos grupos de formação no Brasil, participou como professor convidado em seminários de Yoga na Austrália, Estados Unidos e Áustria. Atualmente, conduz cursos de formação de professores em Porto Alegre e Curitiba.

VALOR
3 parcelas de R$160,00 (Valor total para os 2 módulos)
(1ª parcela no ato da inscrição)

INSCRIÇÕES

- Espaço de Yoga Dhyanam - Rua Reinaldino S. de Quadros, 1248, Alto da XV - Curitiba
Fones: (41)3077-2756, (41)9228-2597
- Gandiva Yoga Ashram - Rua Barão de Guaraúna 673, Juvevê - Curitiba
Fones: (41)3039-1519, (41)9145-8674
- Ananda Shakti - Rua do Ingá, 45, Barreirinha - Curitiba
Fones: (41)35851828, (41)9999-9111

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

11ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" do Prof. TKV Desikachar – Independência X Isolamento - Bloqueios - Prana

Para assistir o vídeo da aula 11, realizada no dia 10 de agosto de 2011, é só clicar aqui.
Esta aula enfatizou a diferença entre a independência e o isolamento e tratou da relação professor-aluno (base do Yoga). Além disso, foi abordado o que são os bloqueios no organismo humano e como eles interagem com o Prana (vitalidade, energia).

Abraços,

Jorge Luís Knak

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Aula 10 - O que estamos buscando? (What are we seeking?) - Áudio integral da aula - Um caminho com o corpo, a respiração e a mente.

Na última aula tivemos problemas novamente com a conectividade. Porém, como o problema foi detectado logo, a aula inteira foi gravada em áudio. Há apenas um probleminha de repetição de palavras no áudio(soa parecido com uma gagueira, repetindo partes de palavras). Aproveitem e fiquem à vontade para encaminhar perguntas por e-mail ou através de comentários no blog.

Aula disponível abaixo:



Abraços,

Jorge Luís Knak

quinta-feira, 21 de julho de 2011

8ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" do Prof. TKV Desikachar – Confiança e liberdade

Pela segunda vez consecutiva não conseguimos gravar em vídeo devido a problemas com a internet. Acredito que agora o problema tenha sido resolvido e poderemos ter a gravação em vídeo retomada no próximo encontro.
Para que os interessados possam manter a continuidade dos estudos, fiz um texto resumindo a aula dada.
Espero que aproveitem e desculpem pela impossibilidade de disponibilizar o vídeo.

Abraços,

Jorge Luís Knak
.................

Grupo de estudos com base no livro “What are we seeking” do Prof. TKV Desikachar


AULA 8 – 20 de Julho de 2011
Jorge Luís Knak

Na aula anterior nos dedicamos a entender um pouco sobre as duas abordagens “terapêuticas” na relação com o sofrimento. Porém, estas abordagens ainda estão relacionadas à consideração causa-efeito.
Hoje, vamos trazer um novo componente para esta reflexão. Além de nos debruçarmos sobre a compreensão de quais os sintomas e qual a causa de nossas aflições, precisamos pensar também sobre um outro nível de experiência presente em nossa vida. Vamos a ele.
Do ponto de vista do yoga, há um espaço dentro de nós que não está preso às relações causa-efeito. Por mais que perder um emprego, receber uma notícia triste sobre um amigo próximo ou passar por qualquer experiência dolorosa provavelmente nos deixará abalados, a realidade do indivíduo nunca se reduz a isso. Ou seja, há algo em nós que não é afetado por isto. Há um espaço livre em nós, um espaço que jamais se perturba. Esta dimensão é pouco explorada em muitas abordagens terapêuticas, talvez porque tomem por base a sensação de desequilíbrio, sensação esta que acaba por nublar a dimensão mais livre. A pergunta mais natural neste momento seria: de que me adianta uma dimensão mais livre se minha sensação é de perturbação? Esta pergunta, central no questionamento a respeito dos vários níveis do indivíduo, é importante para que possamos entender a necessidade de nos conectarmos a este espaço interno. E, na verdade, nossa participação é decisiva, pois a vivência ou não desta dimensão depende do quanto amadurecemos este vínculo. Quando vemos as várias formas como diferentes pessoas reagem à mesma situação externa, entendemos o quanto a resposta a um fator externo é relativa. A partir de um olhar mais sensível veremos que esta dimensão intacta está sempre à nossa disposição, porém pode num momento estar um pouco mais escondida do que em outros. Em certos momentos sentimos que determinada notícia quase nos “destrói por inteiro” enquanto que em outro momento ela é apenas “um pedaço” da nossa realidade emocional. A sensação de sermos destruídos por algo vem de um engano mental que é a base de nossos conflitos, o temporário é tomado como permanente.
Este espaço, chamado coração (Hrdayam), devido à sua independência e liberdade, nos traz conforto, bem-estar, acolhimento. Já quando nos desconectamos dele, sentimos como se olhássemos nossas perturbações através de uma lupa, elas passam a ocupar um espaço que, na verdade, não pertence a elas. Há um sentimento que é muito vinculado a este lugarzinho sobre o qual estamos falando, é a confiança, a fé (sraddha). A confiança está além da lógica, ela às vezes pode ser surpreendente e nos levar numa direção que a lógica não levaria. Há muitas situações de pessoas que passam por várias adversidades em seu caminho e, mantendo a confiança de que chegarão ao seu destino, acabam por surpreender. Se nos limitarmos apenas à dimensão de causa-efeito, não chegaremos ao mesmo lugar.
Infelizmente, na esmagadora maioria das situações, somos levados pela maré. Nossos medos, inseguranças, apegos, acabam por nos convencer a escolher uma direção que não nasce da confiança. E sempre é bom lembrar que o caminho à nossa frente se constrói a partir de nossas escolhas...

Versos base:

Yogasutra

I.20 - "Sraddha Virya Smrti Samadhiprajna Purvaka Itaresam"
Tradução e comentários de TKV Desikachar (no livro "O Coração do Yoga") a respeito do verso:
"I.20 - Através da confiança, que nos dará suficiente energia para atingir o sucesso apesar de todos os prováveis desafios, a direção será mantida. A realização do objetivo do Yoga é uma questão de tempo."
O objetivo é a habilidade de direcionar a mente para um objeto sem nenhuma distração, resultando, com o tempo, numa compreensão clara e correta do objeto em questão.
A fé, a confiança, é a convicção inabalável de que podemos chegar naquele objetivo. Não devemos ser iludidos pela complacência perante pequenos sucessos ou desencorajados pelos fracassos. Devemos trabalhar firme e estavelmente em meio às distrações, pareçam elas boas ou ruins.

I.24."Klesa Karma Vipaka Asayaih Aparamrstah Purusavisesa Isvarah"
Tradução e comentários de TKV Desikachar (no livro "O Coração do Yoga") a respeito do verso:
"I.24 - Deus é o ser supremo cujas ações nunca estão alicerçadas no engano."

I.36."Visoka va Jyotismati"
Tradução e comentários de TKV Desikachar (no livro "O Coração do Yoga") a respeito do verso:
"I.36 - Quando refletimos sobre o que é a vida e o que nos mantém vivos, podemos encontrar um acolhedor refúgio para nossas distrações mentais."
A consideração de coisas que são maiores do que nossa realidade individual nos ajuda a colocar a nós mesmos na perspectiva apropriada.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

7ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" do Prof. TKV Desikachar – Sobre as formas de lidar com o sofrimento

A aula 7 não foi gravada em vídeo devido a problemas com a internet. Para que os interessados possam manter a continuidade dos estudos, fiz um texto resumindo a aula dada.
Espero que aproveitem e desculpem pela impossibilidade de disponibilizar o vídeo.

Abraços,

Jorge Luís Knak

..................................................................................

Grupo de estudos com base no livro “What are we seeking” do Prof. TKV Desikachar


AULA 7 – 13 de Julho de 2011
Jorge Luís Knak



Breve revisão da aula anterior:
A palavra chave de nosso encontro anterior é a palavra “samskara”. A compreensão do que é “samskara” nos ajudará a construir uma compreensão mais madura de como funciona nossa mente e trará uma noção mais clara de como o sofrimento se instala. Entre as traduções possíveis para esta palavra poderíamos usar “tendência ou marca mental”. Como vimos na aula anterior, tendências mentais existem e não são negativas em si. Nós precisamos de automatismos para sobreviver. Mas a mesma característica que em um determinado momento nos auxilia, em outro pode nos colocar em perigo ou nos trazer frutos negativos. A partir disso podemos concluir que um certo grau de atenção e sensibilidade é sempre importante em nossa relação com o mundo, pois se apenas os automatismos governarem não há lugar para o novo, não há espaço para uma visão mais limpa do que está na nossa frente. Uma vez que o automatismo toma conta, o que predomina são as memórias (tanto as mais superficiais quanto as mais profundas). Memórias são importantes, mas uma vida feita apenas de memórias impedem que possamos ver o presente como ele é.
Não vou aprofundar mais este ponto porque já tratamos disso anteriormente.

Aula de hoje:

Formas de lidar com a sofrimento


Em yoga duas idéias são apresentadas na forma de lidar com o sofrimento. Com certeza várias abordagens terapêuticas terão uma visão muito semelhante, pois é uma realidade muito fácil de ser experienciada e compreendida. Creio que estes dois conceitos que abordaremos aqui sejam estudados com a mesma seriedade em muitos caminhos de autoconhecimento, sejam eles caminhos religiosos ou meramente “terapêuticos” no sentido mais acadêmico.
As palavra originais que remetem as estas duas idéias que estudaremos aqui são “samanam” e “sodhanam” (aqui a letra “s” tem som de “x”). A primeira poderia ser traduzida por “pacificação”, trazendo o sentido de acalmar, aliviar. A segunda poderia ser traduzida por “limpeza ou purificação” e traz o sentido de reduzir ou remover a causa, curar. Ambas tem um papel muito importante e a segunda raramente é possível de ser acessada sem que a primeira tenha sido experienciada em algum grau.
Um fato a ser considerado com relação à primeira etapa (pacificação) é que, se nos limitarmos a ela exclusivamente, os sintomas acabarão retornando com o tempo. O resultado desta primeira etapa é apenas temporário. Isso não tira a importância desta etapa, apenas aponta para nós os limites dela. Desconsiderar esta etapa por ela ser considerada mais “limitada” em seus resultados seria como deixar de limpar a casa porque sabemos que depois ela irá sujar novamente.
A fase de pacificação tem como objetivo reduzir os sintomas que estarão se manifestando no corpo, na respiração e na mente. Sempre que passamos por um período de perturbação (sofrimento), junto com esta experiência podemos perceber alguns sintomas como inquietação ou prostração, pessimismo, humor instável, respiração curta, agitada ou pesada. Na maioria das vezes mais de um destes sintomas aparecerá. Nosso objetivo, então, será ajudar a trazer de volta um pouco de bem-estar, um pouco de calma e conforto. Dificilmente isso ocorrerá automaticamente num momento como esse, precisaremos de meios que nos possibilitem “encontrar, despertar” este sentimento. Neste ponto é que será mais visível, talvez, a diferença entre a primeira etapa e a segunda etapa. Os meios que adotaremos para nos acalmar, para nos trazer bem-estar, não são exatamente os mesmos que serão utilizados para nos ajudar a lidar com a causa do sofrimento. Neste momento, a maturidade e a sabedoria do professor (ou terapeuta, mestre, guia) são essenciais, pois cabe a ele refletir não só sobre qual o meio adequado para a pessoa como também qual o momento para realizar esta interferência.
Vivemos numa época onde, definitivamente, não nos faltam abordagens de pacificação. O difícil, em meio a tudo isso, é saber como e quando utilizar estas ferramentas. Não é à toa que, na visão do yoga, é importante encontrarmos uma pessoa em quem confiamos e que seja comprometida com o propósito de conhecer a si mesma(ou seja, dedicar-se a seu processo pessoal de aprendizado e reflexão) e conhecer o outro (ou seja, ouvir o outro e aplicar aquilo que já amadureceu em seu aprendizado pessoal) para nos auxiliar neste caminho.
Normalmente, em nossa trajetória, acabamos por esquecer de nossos problemas quando a primeira etapa traz algum efeito. Por exemplo, se eu começo a ter problemas para dormir isso me deixará incomodado, cansado, me forçará a fazer algo para resolver a situação. Talvez, se eu mudar um pouco a minha rotina à noite, este problema diminua. Talvez eu substitua a novela da noite ou o vídeo-game por um bom livro ou uma música agradável. Isso pode me ajudar, será uma mudança positiva, mas existe uma grande chance de esta não ser a principal causa das minhas noites sem sono. Essa medida me acalmará, me trará uma noite um pouco melhor, por conseqüência ficarei com mais disposição e mais saudável. Ou seja, é realmente uma medida importante, não deve ser desprezada. Porém, uma vez tendo recuperado um pouco da minha disposição, seria muito importante que eu continuasse a tentar entender a razão pela qual tenho estado agitado à noite, talvez eu descubra coisas importantes a respeito do meu dia, do meu trabalho eu de minha relação com os outros. Como popularmente se diz: não queremos ficar só apagando incêndios.
Há versos no Yogasutra que tratam deste assunto. Dentre eles temos os versos II.10 e II.16 que enfatizam a importância de continuarmos a buscar amadurecimento e clareza mesmo nos momentos em que nos sentimos bem. Ou seja, quando não há sofrimento, desequilíbrio ou perturbação aparente, devemos aproveitar para enraizar ainda mais nossa compreensão e nossa descoberta de nós mesmos. Partir do reconhecimento de que a felicidade depende de nosso estado interior e de que está, portanto, em nossas mãos, é um dos mais centrais alicerces deste sistema. Portanto, o movimento nesta direção é sempre louvável e é considerado como sendo a única maneira de realizarmos nosso propósito de ter uma vida plena, rica. Isso trará uma alegria mais verdadeira e permanente não só para nós mesmos, mas também para aqueles com quem nos relacionamos. Quanto mais alicerçada numa busca sincera, sustentada e profunda, menos excludente é nossa felicidade. Cabe a cada um a busca, ela é pessoal, não há como terceirizar, mas seus resultados sem dúvida se espalham e se multiplicam a partir desta solidez.
............................................................................
Versos citados:

Yogasutra
II.10
"Te pratiprasavaheyah suksmah"

Tradução e comentários de TKV Desikachar (no livro "O Coração do Yoga") a respeito do verso:
Tendo apresentado os obstáculos que nublam a percepção clara, Patanjali indica qual deveria ser a atitude da pessoa que deseja reduzi-los.
"II.10 - Quando os obstáculos parecem não estar presentes, é importante permanecer vigilante."
Um estado temporário de clareza não deve ser confundido com um estado permanente. Partir do pressuposto de que tudo estará bem de agora em diante é perigoso. Agora é ainda mais importante ter cuidado. A queda da clareza para a confusão é mais perturbadora do que o estado de ausência completa de clareza.

II.16
"Heyam duhkham anagatam"

Tradução e comentários de TKV Desikachar (no livro "O Coração do Yoga") a respeito do verso:
"II.16 - Efeitos dolorosos que possivelmente ocorrerão devem ser previstos e evitados"
Devemos agir de maneira que possamos prever ou reduzir possíveis efeitos dolorosos. Patanjali dá continuidade ao assunto apontando as causas de tais efeitos dolorosos e o que deve ser feito para desenvolver dentro de nós a capacidade de previsão, prevenção, redução e aceitação dos mesmos. A prática de Yoga tem o propósito de reduzir os efeitos dolorosos em nós mesmos através do aumento de clareza, discriminação.
............................................................................

sexta-feira, 1 de julho de 2011

sexta-feira, 24 de junho de 2011

4ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" do Prof. TKV Desikachar - O conceito de Liberdade no Yoga

Para assistir esta aula (realizada dia 23 de Junho de 2011) é só clicar aqui. O vídeo integral tem duração de 1 hora e 20 minutos.
4ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" - autor: TKV Desikachar. Esta aula enfatizou a diferença entre a forma como usamos a palavra liberdade, ordinariamente, e a forma como o Yoga vê a liberdade.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

2ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" - autor: TKV Desikachar

Para assistir o vídeo da aula do dia 8 de Junho é só clicar aqui. O áudio e a imagem estão com boa qualidade. A aula começa após cerca de 5 minutos de andamento da filmagem.

Abraços,

Jorge Luís Knak

1ª Aula de Jorge Luís Knak sobre o livro "What are we seeking" - autor: TKV Desikachar

Para assistir o vídeo da aula do dia 1º de Junho é só clicar aqui. Neste dia houve um problema no áudio, provavelmente será necessário usar fones de ouvido para ouvir a aula.

Abraços,

Jorge Luís Knak

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Grupo de Estudo sobre o livro "What are we seeking" do Prof. TKV Desikachar

Queridos leitores, amigos e alunos,

Com alegria informo que na próxima semana, dia 1º de Junho de 2011, inciaremos o Grupo de Estudos sobre a obra "What are we seeking?" (O que buscamos?) de TKV Desikachar.

"What are we seeking?" - Autor: Prof. TKV Desikachar
Professor: Jorge Luís Knak
Início: 1º de Junho de 2011 - quarta-feira
Horário: 18:30 às 19:45
Todas as quartas-feiras.
Local: Recanto do Yoga - Rua 17 de Junho, 648 - Bairro Menino Deus - Porto Alegre
Fone: (51)3407-2124


Escolhi este livro para servir de base aos estudos que se seguirão por ele tratar de forma muito profunda da busca humana de amadurecimento, felicidade e realização.
O ensinamento límpido, esclarecedor e inspirador do prof. TKV Desikachar tem sido definitivo para a construção e desenvolvimento de minha visão de Yoga nos últimos 10 anos.
Acredito que o estudo desta obra nutrirá em muito as alegrias e descobertas que fazem parte do caminho do auto-conhecimento. "What are we seeking?" trata da descoberta de como nos conectarmos intimamente com o nosso "coração".

Professor TKV Desikachar é uma das maiores autoridades do Yoga na atualidade, é filho de Sri Krishnamacharya.

Meu estudo direto com Prof. TKV Desikachar e seu filho, Kausthub Desikachar, se iniciou no ano de 2001 e tem se mantido até hoje. Desde lá, juntamente com Nazaré Cavalcanti, tenho me direcionado a aprofundar e espalhar, dentro de minhas possibilidades, este conhecimento tão raro e valioso.

Não há pré-requisito exigido para participar deste estudo. Qualquer pessoa será muito bem-vinda, independete de ser praticante de yoga ou não, uma vez que este estudo extrapola os limites de qualquer caminho específico.

A aula de abertura (Dia 1º de Junho - quarta-feira) é gratuita, estão todos convidados.

Jorge Luís Knak